O Portal do Aviador reúne sites e muito conteúdo relacionados à aviação. Notícias, anúncios e cobertura de eventos aeronauticos.

Aviação Executiva

Voos transoceânicos com VLJ

Compartilhe
, / 54
O fenômeno dos VLJ (Very Light Jets) tem influenciado muito o setor da Aviação Executiva. Estas aeronaves relativamente pequenas, porém avançadas na performance, entraram no mercado e tornaram-se um integrante comum do tráfego aéreo. Embora sejam essencialmente aeronaves de curto ou médio alcance, seus proprietários se lançam em voos de longa distância de tempos em tempos. A autonomia de voo desempenha um papel importante, e tudo deve ser minuciosamente preparado. Durante os preparativos, é essencial escolher sensivelmente uma rota em relação aos equipamentos do VLJ e conseqüentemente aos aeroportos de backup. Flyovers em áreas oceânicas são "pão e manteiga" para um centro de controle de operações (OCC). Hoje existem aeronaves capazes de fazer esses voos transoceânicos sem escalas. Aeronaves como o G650, G550, F7X ou Global 6000 podem voar em altitudes que as companhias aéreas comerciais raramente usam e, graças à sua velocidade, não desaceleram o tráfego de aeronaves nos tracks ou OTS (Organised Track System). Eles também são menos suscetíveis às mudanças na meteorologia. Claro que é mais fácil planejar voos oceânicos com aeronaves que tenham um longo alcance, mas fazer o mesmo trabalho para VLJs com alcance mais curto ou equipamento de navegação insuficiente torna-se um desafio muito maior. Ao contrário dos grandes jatos comerciais e jatos executivos de longo alcance, os VLJs assumem esses voos de forma bastante irregular, e suas equipes não têm tanta experiência com esse tipo de voo. É por isso que as etapas de preparação devem ser especialmente consistentes e levar em consideração todos os detalhes antes da partida. Cruzar os oceanos tem alguns aspectos específicos, e há regras que devem ser seguidas. Isso inclui garantir o equipamento de emergência do avião para áreas árticas, comunicação (HF, CPDLC), bem como equipamentos de navegação (LRNS, ADS-B/C) ou capacidade de voar no espaço aéreo RVSM. O cruzamento oceânico mais memorável de um VLJ foi provavelmente o primeiro voo do Embraer Phenom 100 dos Estados Unidos para a Europa. Ocorreu em 2009, pouco depois de ser posto em operação. Desde então, muitas aeronaves Phenom 100 atravessaram o Oceano Atlântico em ambos os sentidos. Hoje, o OCC da ABS Jets apoia uma série de clientes que operam VLJs, especialmente na América do Norte e América Latina, bem como na Europa.

Se você tiver dúvidas ou precisar de suporte para seu próximo vôo, entre em contato com o Centro de Controle de Operações da ABS Jets em occ@absjets.com ou +420 602 316 636.
A ABS Jets é um operador de aeronaves executivas bem estabelecido localizado no coração da Europa, com bases em aeroportos de Praga e Bratislava e que atualmente opera 10 aeronaves em operação comercial. Fornece serviços exclusivos em todo o campo da aviação comercial, incluindo 24/7, suporte de vôo mundial especializado em planejamento de vôos para destinos remotos e incomuns. Graças à sua experiência, a ABS Jets OCC já possui uma forte cooperação com clientes da América do Sul e para quem é oferecido suporte de voo completo a destinos específicos.